Forma preferencial de aprendizagem: estudo de caso em uma Instituição de Ensino Superior da Serra Gaúcha

Juliana Raquel de Souza Luchesi, Kelly Menezes Crespi, Janaina Macke

Resumo


O processo de aprendizagem pode ser definido de forma sintética quanto ao modo de como os seres adquirem novos conhecimentos, desenvolvem competências e mudam o comportamento. Na medida em que participamos ativamente dos acontecimentos, assimilamos mentalmente as informações sobre o ambiente físico e social e transformamos o conhecimento adquirido em formas de agir sobre o meio. Assim sendo, propõe-se neste estudo apresentar os conceitos de Aprendizagem, Andragogia, Inteligências Múltiplas e CHA (Conhecimento, Habilidades e Atitudes), a fim de fundamentar a pesquisa de Domínio Preferencial de Aprendizagem proposta por De Aquino (2007). A pesquisa foi aplicada a 144 alunos (36 egressos e 108 ingressos) graduandos em Administração de Empresas de uma Instituição de Ensino Superior da Serra Gaúcha. O objetivo é identificar a forma preferencial de aprendizagem dos alunos e auxiliar os docentes na construção de estratégias de ensino. Os resultados destacaram que as formas preferenciais de aprendizagem são pelos   mínios físico e emocional. Sendo que existe uma relação significativa entre o sexo masculino e o domínio físico de aprendizagem. Em relação à faixa etária, identificou-se que ela não influencia na forma preferencial de aprendizagem dos alunos.

Palavras-chave


Aprendizagem. Andragogia. Administração

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.