A distribuição espacial da indústria têxtil no Estado do Paraná

Tainá Caionara de Oliveira, Jandir Ferrera de Lima

Resumo


Este artigo analisa a distribuição espacial da indústria têxtil nas microrregiões do Estado do Paraná, traçando um panorama sobre o perfil de localização e da geração de emprego e valor adicionado. Utilizou-se uma metodologia descritiva exploratória a partir de dados  oficiais de emprego e valor adicionado fiscal e da estimativa de indicadores de análise regional. Os resultados apontaram que algumas microrregiões analisadas tiveram grande destaque no setor têxtil, como: Cianorte, Wenceslau Braz, Capanema, Floraí, Umuarama, Apucarana e Faxinal. Os encadeamentos proporcionados pelo setor têxtil ficaram visíveis nas microrregiões de Goioerê e Campo Mourão, que são especializadas na produção de têxtil, e estimulam a produção algodoeira nas regiões que fornecem insumos para o setor têxtil.

Palavras Chave: Indústria Têxtil. Economia Paranaense. Economia Regional.


Abstract


This paper analyses the spatial distribution of the Textile Industry in Paraná State in Brazil, drawing a panorama of the profile location and the generation of employment and added value. We used a descriptive exploratory methodology from official employment data and  value added tax and the estimation of regional analysis indicators. The results showed that some micro-regions analysed have great prominence in the textile sector in the municipalities of Cianorte, Wenceslau Braz, Capanema, Floraí, Umuarama, Apucarana and Faxinal. threads provided by the textile sector were visible in the regions of Goioerê and Campo Mourao cities, which are specialized in the production of textile, and stimulate cotton production in regions that provide inputs for the textile sector.


Keywords: Textile Industry. Paranaense Economy. Regional Economy.

 


Palavras-chave


Indústria Têxtil. Economia Paranaense. Economia Regional

Texto completo:

PDF

Referências


ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) – Cartilha Industria Têxtil e de Confecção Brasileira – Cenários, Desafios, Perspectivas e Demandas. 2010. Disponível em: Acesso em: 03/09/2015.

ALVES, L. R. Indicadores de localização, especialização e estruturação regional. 2012. In: PIACENTI, C. A.; FERRERA DE LMA, J. (orgs.) Análise regional: metodologias e indicadores. Curitiba: Camões, p.33-50, 2012.

ANDRADE, M. C. Espaço, polarização e desenvolvimento – uma introdução à economia regional. São Paulo: Atlas, 2004.

CÂMARA, M. R. G. da; SOUZA, L. G. A. de; OLIVEIRA, M. A. de. O corredor da moda do norte-noroeste do Paraná à luz dos Arranjos Produtivos Locais. Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba: Editor RPD, n. 110, p. 31 – 66, 2006.

CLEMENTINO, M. do L. M. A evolução da indústria têxtil no contexto da afirmação do imperialismo Americano. In: XII COLOQUIO INTERNACIONAL DE GEOCRÍTICA. Bogotá, 2012. Disponível em: Acesso em: 05/08/2015.

GORINI, A. P. F. Panorama do Setor Têxtil no Brasil e no Mundo: Reestruturação e Perspectivas. Rio de Janeiro: BNDES Setorial, nº 12, p. 17-50, 2000. Disponível em: Acesso em: 28/07/2015.

HIRSCHMAN, A. O. Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2002.

LISBOA, S. A. A. A Organização da Indústria Têxtil Brasileira no Contexto Internacional. Rio de Janeiro: PUC, 2013. Disponível em: Acesso em: 28/07/2015.

MARTINS, T. C.; de SOUZA, S. de C.; MAIA, K. A importância dos Arranjos Produtivos Locais (APLs) de confecções no Norte e Noroeste do Paraná para o mercado de trabalho local. In: V Encontro de Economia Catarinense: Crescimento e Sustentabilidade. Florianópolis, 2011. Disponível em: Acesso em: 17/04/2015.

OLIVEIRA, M. A. de; CÂMARA, M. R. G. da; BAPTISTA, J. R. V. O setor têxtil-confecções do Paraná e seus segmentos regionais especializados: 2000-2004. Revista de Economia. Curitiba: Editora UFPR, v. 33, p. 83-115, 2007.

PAELINCK, J. A teoria do desenvolvimento regional polarizado. In: SCHWARTZMAN, J. (Org). Economia regional e urbana: textos escolhidos. Belo Horizonte: Cedeplar, p.157-174, 1977.

PAIVA, C. A. N. (coord.) Desenvolvimento regional, especialização e suas medidas. Indicadores econômicos. Porto Alegre: FEE, n. 1, v. 34, 2006. Disponível em: . Acesso em 15/02/2015.

PELINSKI, A.; SILVA R., D.; FERRERA DE LIMA, J. Empresa motriz e desenvolvimento regional: uma análise do impacto da montadora Renault em São José dos Pinhais (PR). Perspectivas Contemporâneas - Revista Eletrônica de Ciências Sociais e Aplicadas. Campo Mourão, PR: Faculdade Integrada, v.1, n.2, p.54-72, 2006. Disponível em: < http://revista.grupointegrado.br/revista/index.php/perspectivascontemporaneas/article/view/365/171> Acesso em: 03/10/2014.

PERROUX, F. O conceito de polo de crescimento. In: SCHWARTZMAN, J. (Org). Economia regional e urbana: textos escolhidos. Belo Horizonte: CEDEPLAR, p.145-156, 1977.

PROPEX. Site da empresa. Sobre a empresa. 2016. Disponível em: < http://www.propex.com.br/empresa.htm> Acesso em: 23/10/2015.

SANTOS, M. Economia espacial: críticas e alternativas. 2.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Cadeia produtiva têxtil e de confecções: Cenários econômicos e estudos setoriais. Recife: SEBRAE, 2008. Disponível em: Acesso em: 02/08/2015

SINVESPAR (Sindicato das Indústrias do Vestuário do Sudeste do Paraná). Setor Têxtil e do Vestuário do Paraná – Planejamento Estratégico. Curitiba: Sistema FIEP, 2010. Disponível em: Acesso em: 27/07/2015.

TOLOSA, H. Polos de crescimento: teoria e política econômica. In: HADDAD, P. R. Planejamento regional; método e aplicação ao caso brasileiro. Rio de Janeiro, IPEA (Série Monográfica nº 08), p. 191-234, 1972.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.