Análise comparativa dos modelos de precificação de ativos Capital Asset Pricing Model e Downside Capital Asset Pricing Model

Adriana Moreira Bastos de Faria, Lucas Maia dos Santos

Resumo


Neste estudo discutiremos dois modelos de equilíbrio: o CAPM convencional e uma de suas variações, o Downside Capital Asset Pricing Model. Foram utilizados dados secundários obtidos da base de dados Economática Software para Investimentos Ltda. Utilizaram-se o preço de fechamento das cotações diárias de 21 ações escolhidas aleatoriamente negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, correspondendo ao período entre 01/09/2006 a 21/06/2010, com 935 observações de rentabilidade. Utilizou-se como proxy da carteira de mercado o índice Ibovespa e quanto ao ativo livre de risco, a taxa Selic. No geral, percebeuse que o downside beta foi inferior ao beta tradicional indicando que a análise a partir da semi-covariância e semi-variância possibilitou a redução do risco sistêmico do ativo, o que foi corroborado pela redução dos retornos esperados para os mesmos ativos. No entanto realizando o teste t de student, verificou-se que não existe diferença significativa entre os betas. Concluindo, pode-se observar que a volatilidade negativa dos ativos é bastante significativa na composição do risco do ativo, o que mostra a importância do downside beta como fator explicativo do verdadeiro risco sistêmico.

Palavras-chave


CAPM. DCAPM. Finanças

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.