processo emocional num grupo de trabalho

Maria do Carmo Schmidt, Christiane Kleinubing Godoi

Resumo


Este artigo procurou entender o processo emocional em um grupo de trabalho a partir das histórias de vida, com base nas teorias atuais sobre emoções e relatos de acontecimentos vivenciados pelos atores que compõem o cenário dos grupos na organização. A pesquisa realizada, de abordagem qualitativa, no paradigma construtivista, utilizou o método da História Oral de Vida, que permitiu entender as emoções a partir das experiências dos entrevistados. Com base nos relatos dos entrevistados pôde-se constatar que as emoções, conforme Davel e Vergara (2001), dão suporte ao processo de relacionamento interpessoal, e é com base nas emoções que os agentes se estabelecem como sujeitos. Não se pode, portanto, abstrair a dimensão emocional da ação, para compreender as relações e a construção do indivíduo como sujeito. Neste artigo, encontramos aspectos que foram experimentados pelas pessoas em um dado momento de sua existência e que foram transpostos para suas atitudes e expressão das emoções no grupo de trabalho, permitindo a conexão entre esferas pessoais e profissionais dos indivíduos e corroborando com a perspectiva construtivista. Tomando como base a história de vida dos entrevistados, pode-se perceber que algumas emoções aprendidas na família são levadas para a organização, muito embora as emoções positivas pareçam ser mais incentivadas e aceitas no cenário organizacional e as emoções negativas tendam a ser suprimidas ou reprimidas. Existe uma visão de que emoções positivas melhoram o ambiente de trabalho.

Palavras-chave


Processo emocional. História oral. Grupos de trabalho

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.