Contribuição do paisagista para desenvolvimento do setor produtivo da floricultura

Daniel Muraro, Francine Lorena Cuquel, Raquel Rejane Bonato Negrelle

Resumo


A produção de plantas ornamentais no Brasil está distribuída em polos produtivos muito heterogêneos, com alto desenvolvimento e concentração produtiva de alguns e praticamente estagnação de outros. A estagnação ocorre em várias regiões, apesar de elas apresentarem significativa demanda e possibilidades de   ganhos superiores com produção de plantas ornamentais em relação a outros tipos de cultivos agrícolas desenvolvidos nessas regiões. Visando gerar informações que possam contribuir com o planejamento de ações para o desenvolvimento de polos produtivos de plantas ornamentais, através de entrevistas semiestruturadas realizadas com paisagistas, identificouse a influência desses profissionais no desenvolvimento deste setor. Os profissionais do paisagismo influenciam positivamente o desenvolvimento do setor produtivo, através da sua capacidade em promover aumento de demanda, e negativamente, devido ao  baixo uso de plantas nativas e baixa interação com os produtores.


Palavras-chave: Plantas Ornamentais. Paisagismo. Cadeia Produtiva.

Abstract


The ornamental plants production in Brazil are distributed among very heterogeneous production centers with some high development and production concentration and others virtually stagnant. Stagnation occurs in several regions, despite these presented significant demand and possibilities of higher earnings with  production of ornamental plants in relation to other types of agricultural crops developed in these regions. Aiming to produce information that can contribute to the planning of actions for the development of production centers of ornamental plants, through semi-structured interviews with landscapers, it was identified the influence of these professionals in the development of this sector. The landscaping professionals positively influence the development of the productive sector through the ability to further increases demand and negatively due to the low use of native plants and low interaction with producers.


Keywords: Ornamental Plants. Landscaping. Productive Chain.


Palavras-chave


Plantas Ornamentais. Paisagismo. Cadeia Produtiva

Texto completo:

PDF

Referências


BLACKWELL, Roger D.; ENGEL, James F.; MINIARD, Paul.W. Consumer Behavior. Ohio: South Wester, 2006.

Brasil 2007. Ministério da Agricultura, Pecuária e abastecimento. Cadeia produtiva de flores e mel. Antônio

Márcio Buainain e Mário Otávio Batalha (coordenadores). – Brasília: MAPA/SPA, 2007.

CHURCHILL, Gilbert. A. Jr.; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, 2005.

EXPOFLORA. 34º EXPOFLORA. Mostra de paisagismo e jardinagem. Disponível em: . Acesso em: 06 de junho de 2015.

FAO. Potential of commercial floriculture in Asia: opportunities for cut flower development - Document Repository. Disponível em: . Acesso em 12 de novembro de 2014.

FECAPLAN. Feira catarinense de flores e plantas ornamentais. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho de 2015.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.

Hortiwise. A Study on the Kenyan-Dutch Horticultural Supply Chain. The Dutch Ministry of Economic Affairs, Agriculture & Innovation The Netherlands, May 2012. Disponível em: . Acesso em 16 de novembro de 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Paraná – Curitiba – Sintese das informações. Disponível em: . Acesso em 02 de março de 2015.

IBRAFLOR. Instituto Brasileiro de Floricultura. Números do Setor. Disponível em: . Acesso em: 30 de abril de 2015.

JUNQUEIRA, Antônio. H.; PEETZ, Marcia S. Mercado interno para os produtos da floricultura brasileira: características, tendências e importância socioeconômica recente. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, Campinas, v. 14, n. 1, p. 37-52, jan./mar. 2008.

JUNQUEIRA, A.H.; PEETZ, M.S. O setor produtivo de flores e plantas ornamentais do Brasil, no período de 2008 a 2013: atualizações, balanços e perspectivas. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, v. 20, n. 2, p.115-120, abr./jun. 2014.

KOTLER, Phillip; KELLER, K. Lene. Marketing Management, New Jersey: Prentice-Hall, 2012.

OLIVEIRA, A.A. Porto; BRAINER, M.C. Pereira. Floricultura: caracterização e mercado. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2007.

PARANÁ. SEAB-PR. Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento - Departamento de Economia Rural. 2013. Versão definitiva do levantamento da produção rural paranaense por município 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 de março de 2014.

PEREIRA, J.P.C. Nunes.; CARVALHO, M. Monteiro. Cooperação e localidade: uma análise no contexto do agronegócio de flores. Produção, São Paulo, v.18, n.1, p.195-209, 2008.

SEBRAE/RS. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. 2003. Diagnóstico da cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais do Rio Grande do Sul. Disponível em:< http://201.2.114.147/bds/bds.nsf/311567070DCEA48C032572170054A774/$File/NT000B578E.pdf>. Acesso em: 22 de dezembro de 2014.

SILVA, F. Calado.; LEITÃO, M.R.F. Andrade. Extensão rural e floricultura tropical para o desenvolvimento local: a cooperação no processo de inclusão competitiva dos agricultores familiares em Pernambuco. INTERAÇÕES, Campo Grande, v.10, n.1, p.9-19, 2009.

SILVA, M. Santos.; LOUREIRO, E. Branco.; GALDINO, L.K. Almeida. 2011. Evolução da floricultura no Estado de Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em 10 de janeiro de 2015.

VEILING HOLAMBRA. Vantagens. Disponível em: . Acesso em: 05 de junho de 2015.

VIEIRA, A. Aires; SAMPAIO, G. Ramos; SAMPAIO, Y.S. Barreto. 2014. floricultura em pernambuco: perspectivas de crescimento para 2020. disponível em: . Acesso em 23 de novembro de 2014.

WEI, Sherrie.; JOYCE, Darryl.; SAR, Sim; BOAS-SINGOMAT, Nicholar. Developing floricultural supply-chain strategies—Papua New Guinea case study. Disponível em: . Acesso em: 10 de junho de 2013.

URDAN, F. Torres.; URDAN, A.Torres. Gestão do Composto de Marketing: Visão Integrada de Produto, Preço, Distribuição e Comunicação. Estratégias para Empresas Brasileiras. 3ºed. São Paulo: Atlas, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.