A inovação como alternativa para a indústria sucroalcooleira de Alagoas: o caso GranBio

Francisco José Peixoto Rosário, Liliana Cavalcante Soutinho, Nathalia K. Horácio da Silva

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de discutir como o estímulo à inovação é importante e como esta pode ser vista como um elemento propulsor do desenvolvimento. Neste artigo vamos analisar como o caso da GranBio, unidade produtiva que está sendo implantada em Alagoas, desenvolveu uma inovação radical e está mudando a estrutura produtiva do etanol. Iremos mostrar qual é a importância do governo no processo de difusão e desenvolvimento tecnológico e como ele pode estimular a inovação, tornando o segmento mais competitivo diante desse incremento tecnológico, a fim de proporcionar o desenvolvimento econômico de Alagoas.

Palavras-chave: Inovação. GranBio. Desenvolvimento Econômico.


Abstract

The following article aims to discuss how the stimulus to innovation is important, and how it can be seen as a propellant element of development. In this article we will examine in particular how the case of GranBio, production unit that is being deployed in Alagoas, which has developed a radical innovation is changing the productive structure of ethanol production. We will show what is the importance of Government and how it can stimulate innovation, making the follow-up more competitive in this technological improvement, thus providing economic development.

Keywords: Innovation. GranBio. Economic Development.


Palavras-chave


Inovação. GranBio. Desenvolvimento Econômico

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BNDES, Relatório - Bioetanol de cana-de-açúcar: energia para o desenvolvimento sustentável. Organização BNDES e CGEE. – Rio de Janeiro: BNDES, 2008.

CÁRIO, S.; PEREIRA, F. Inovação e desenvolvimento capitalista: referências histórica e conceitual de Schumpeter e dos Neoschumpeterianos para uma teoria econômica dinâmica. Encontro Nacional de Economia Política, 5. Curitiba, 2002. Disponível em: www.race.nuca.ie.ufrj.br/ sep/eventos/enc2002.

CASSIOLATO, J; LASTRES, H. Sistemas de Inovação: Políticas e Perspectivas. Parcerias Estratégicas, n. 8, p.237-255, mai. 2000. Disponível em: http://repositorio.ibict.br/bitstream/123456789/236/1/LASTRESPE2000.pdf

CIMOLI, M.; DOSI, G. Tecnologia y desarrolo: algunas consideraciones sobre los recientes avances en la economía de la inovación. In: GOMEZ; SANCHEZ; DE LA PUERTA (Org.). El cambio tecnologico hacia el nuevo milenio: debates e nuevas teorias. Barcelona. Icaria, 1992.

DOSI, Giovanni (1988c). Prefaceto part III. In: DOSI, G. et al. eds. Technical change and economic theory. London : Pinter.

GALVÃO, O. Por uma Nova Política de Desenvolvimento Regional: a Experiência Internacional e Lições para o Brasil. Congresso dos Economistas da Língua Por¬tuguesa, 3, Macau, WorkingPapers do Instituto de Economia. Disponível em: www.race.nuca.ie.ufrj.br

KUPFER, David. Uma abordagem Neo-Schumpeteriana da competitividade industrial. Ensaios FEE: Porto Alegre, Ano 17, n. 1, p. 355-372, 1996.

__________ Padrões De Concorrência E Competitividade. 2000.

NELSON, R. WINTER, S. Uma teoria evolucionaria da mudança econômica. Campinas, SP: UNICAMP, 2005.

POSSAS, Mário Luiz. Em direção a um paradigma microdinâmico:a abordagem neo-schumpeteriana. In Amadeo, E. (Org) Ensaiossobre economia política moderna: teoria e história do pensamentoeconômico. Editora Marco Zero, 1989.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do Desenvolvimento Econômico.Tradução Maria Sílvia Possas. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Economistas).

TIGRE, P.Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro V.3, jan-jun, 1998.

VIEIRA, Rosele M. Teorias da firma e inovação: um enfoque neo-schumpeteriano. Disponível em: http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rce/article/view/1180.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.